terça-feira, 26 de agosto de 2008

Desalento


Vem você assim como quem não quer
E é tudo que mais quer
Agora se veste do pó que um dia já foi
Teus velhos trajes não te servem mais
Está tão só quanto a rosa que caia da minha mão
Na hora do teu adeus
Caia carregada de dor
O brilho dos meus olhos não pertence mais aos seus
Tu não me causa mais nada
As borboletas pararam de voar
Como se tivessem desfalecidas dentro de mim
Precisam de uma nova florDe um novo amor
Que sem pudor a façam voar
De olhos fechados
Sem pensar no depois
Sem pensar que já foi
Sem pensar em voltar.
Marina Lorena

Um comentário:

Marina disse...

Esse blog ficou tão bonito! adorei a imagem pro meu texto!
beijão maaaaaaaaaay!